Voltar

Notícias

Tupy lança Escola de Fundição em parceria com Senai

Notícias

2 de agosto de 2018

No domingo, 22/07, 458 funcionários da Tupy participaram do vestibular para seleção dos 70 alunos do curso Técnico em Metalurgia, realizado em parceria com o Senai

Uma parceria recém estabelecida entre o SENAI Joinville e a Tupy, maior fundição de ferro da América Latina, proporcionará a formação de 70 funcionários da empresa no curso técnico em Metalurgia. Ele será oferecido no modelo de Ensino Dual, com aulas teóricas e práticas na Tupy. Esse modelo de ensino é adotado na Alemanha em parcerias entre empresas e escolas técnicas. O Ensino Dual está sendo implantado no Brasil pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) por intermédio do SENAI. Para a Tupy, este primeiro curso significa o lançamento da Escola de Fundição, um programa que visa capacitar e especializar funcionários na área de Fundição e Metalurgia com conhecimentos em diversos níveis de fundição, além de temas específicos dos processos Tupy.

As aulas estão previstas para começar no mês de agosto, com duração de dois anos. O curso técnico em Metalurgia tem como objetivo principal desenvolver conhecimentos técnicos em fundição e possibilita que os funcionários das áreas de produção da Tupy aprimorem competências e habilidades, aliando a teoria com a prática.

“A Tupy é referência histórica no investimento em educação e na formação de mão de obra qualificada. A Escola de Fundição foi estruturada com base nos princípios da Tupy, que apoia o desenvolvimento de seus funcionários, preparando-os para atuarem em um ambiente desafiador em que as novas tecnologias estão cada vez mais presentes”, destaca Karen Silva, diretora de Recursos Humanos da Tupy.

Segundo Marcos Hollerweger, diretor do SENAI, a parceria com a Tupy para realização do curso é um momento marcante para o SENAI em Santa Catarina. “A parceria valida nossa experiência na formação de profissionais em nível técnico, da mesma forma que assumimos o compromisso com muita responsabilidade para atender às reais demandas da empresa no desenvolvimento de seus funcionários,” comenta Hollerweger.

Imprensa

Subir